Facebook SINDPOL/AL Twitter SINDPOL/AL Instagram SINDPOL/AL WhatsApp SINDPOL/AL YouTube SINDPOL/AL (82) 3221.7608 | 3336.6427

Sindpol solicita a retirada de materiais de apreensão das delegacias ao Corregedor de Justiça

Por Imprensa (sexta-feira, 24/11/2017)
Atualizado em 29 de novembro de 2017

A diretoria do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) participou de uma reunião com o Corregedor de Justiça, desembargador Paulo Barros da Silva, no Tribunal de Justiça, para tratar da retirada dos materiais de apreensão das delegacias de Alagoas, como motos, carros e aparelhos, que estão entulhados na Delegacia.

Os dirigentes do Sindpol Stélio Pimentel Jr, Adriano Gama, Fernando Amorim e Jesualdo Oliveira esclareceram que os objetos, além de poluírem o ambiente de trabalho, provocam adoecimento aos policiais civis e à população.

O desembargador solicitou ao Sindpol que envie documento formalizando o problema, e esclareceu que buscará amenizar a situação, dentro das possibilidades. “Do ponto de vista legal, iremos encontrar uma solução”, disse.

O Corregedor de Justiça lembrou da explosão na Deic, que vitimou fatalmente a sindicalista e policial civil Amélia Dantas, por conta de explosivos apreendidos pela Polícia Civil, que estavam irregularmente armazenados no local. O diretor Administrativo do Sindpol, Adriano Gama, revelou que até o momento ninguém foi responsabilizado pela tragédia.

Os dirigentes do Sindpol alertaram sobre a questão dos presos nas delegacias, destacando que a custódia não é atribuição dos policiais civis. Paulo Barros também ressaltou que o preso não é para ficar em delegacia.

O Corregedor de Justiça também informou que está ciente da reunião do Sindpol com o Supervisor do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário- GMF, desembargador Celyrio Adamastor Tenório Accioly, e o Sindpol sobre os presos nas delegacias. De acordo com ele, “tudo que tem a ver com o 1º grau de jurisdição, tem a ver com a Corregedoria de Justiça”.

Provocação
O presidente do Sindpol, Ricardo Nazário, provocou a realização da reunião com o Corregedor de Justiça, objetivando, junto com a Polícia Civil e o Governo do Estado, a retirada dos carros e motos das delegacias e leiloar esses objetos. “Os carros e motos, que são objetos de inquéritos ou de procedimentos na Justiça, poderiam ser leiloados e os recursos financeiros irem para a conta da Justiça ou do Estado”, informa.

Ricardo Nazário acrescenta que, quando o cidadão dono do carro ou da moto fosse inocentado, o poder público devolveria o dinheiro arrecadado no leilão. “Se fosse condenado, parte do dinheiro serviria para cursos na área de inteligência da Polícia Civil e outra parte para Justiça”, opina.

 

Compartilhe essa notícia

WhatsApp

Comentários

Faça agora seu Recadastramento
e fique informado

© Copyright 2001 - 2018 | SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DE ALAGOAS