Facebook SINDPOL/AL Twitter SINDPOL/AL Instagram SINDPOL/AL WhatsApp SINDPOL/AL YouTube SINDPOL/AL (82) 3221.7608 | 3336.6427

Sindpol parabeniza os 25 anos da Turma de 93 da Polícia Civil
Policiais civis relembram as dificuldades e superação das condições de trabalho

Por Imprensa (quarta-feira, 7/02/2018)
Atualizado em 9 de Fevereiro de 2018

A direção do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) parabeniza a turma de 1993 que completa 25 anos de dedicação, de luta por melhorias da categoria e transformação da Polícia Civil.

Relembrar os 25 anos de Polícia, é mostrar à categoria as mudanças e as conquistas ao longo do tempo, o que possibilita refletir o que é necessário avançar. Nos textos abaixo, três dirigentes Sindpol, que fazem parte da Turma de 93, descrevem a Polícia Civil de 1993 e as conquistas ao longo dos 25 anos.

 

Drástica mudança
Aristão Cavalcanti Filho – Conselho Fiscal do Sindpol

“A mudança foi drástica nesses 25 anos. A Polícia Civil não tinha estrutura. Nós não tínhamos um sindicato atuante. O policial civil tinha que comprar sua arma. Tive que comprar um revolver velho para puder trabalhar. O dinheiro era pouco, e ainda tinha que comprar uma arma, quando o dever do Estado é fornecer o armamento. Naquela época, o delegado punia com frequência. Se discordasse de algo, ele dava a ‘canetada’, como a gente dizia naquele tempo. O policial não ia para a Corregedoria, já recebia a punição. A Secretaria de Segurança Pública ainda mandava a gente ir trabalhar sem armamentos, sem nada de aparato policial. Hoje, o equipamento melhorou muito. Temos pistolas e fuzis. A parte salarial melhorou muito também. Mas na parte de treinamento, ainda é muito precária. Nos 25 anos, nunca fui chamado para fazer treinamento. Vejo que o pessoal da especializada, como Tigre e Oplit, sempre faz treinamento, bem diferente dos policiais civis de delegacia. Todos os nossos avanços se devem as cobranças do Sindpol.

 

Força e coragem para mudar
Sidney Moreira – Conselho Fiscal do Sindpol

“Quando chegamos na Polícia, havia dificuldade em tudo. Graças à nossa chegada no Sindpol, que muitas coisas melhoraram em prol da categoria. Para se ter uma ideia como era, os delegados puniam pela cara do policial. Não existia uma Corregedoria para apurar e ter suas decisões. O delegado não gostava da atitude e, automaticamente, já descontava em folha. Ao assumirmos o Sindpol, conseguimos modificar. Encontramos muita resistência porque já havia essas práticas. Com nossa força e coragem, conseguimos a mudança. Ainda está longe de tudo ser 100% em prol da categoria. Mas, melhorou muito. Infelizmente, ainda não encontramos um governo que desse prioridade à Polícia Civil. Cada governo que entra, não trata a Polícia Civil como devia tratar. Não entende que investir na Polícia o retorno vai ser melhor. Enquanto isso, o quadro de pessoal da Polícia Civil está reduzindo. Torço para que futuramente exista um governante que se sensibilize com a Polícia Civil e dê o respalda que ela merece”.

 

A conquista mais importante: PCCS
José Ferreira – Delegado Sindical do Sindpol

“Em 1993, a nossa turma encontrou uma instituição desorganizada administrativamente e quase sem nenhuma condição de trabalho, o que foi uma grande frustração para muitos policiais civis. Naquela época, um pequeno grupo, que sonhava com mudanças, juntou-se a outros colegas mais antigos e assumiram o Sindpol. Desse período, tivemos importantes conquistas, como o fim das punições arbitrárias por parte dos delegados. Passamos a ter um advogado defendendo o contraditório junto à Corregedoria, isso mérito do Sindpol. O combate efetivo dos chamados ‘chumbetas’, que eram pessoas estranhas ao quadro da Polícia Civil. Nesse período, lutamos por melhores condições de trabalho, por estrutura física dignas das delegacias, viaturas, armamentos. Lutamos por melhores condições de salários, deflagramos greves, protestos e participações nas mobilizações de diversos movimentos, tanto em defesa dos policiais civis, como também em defesa da sociedade. Na minha concepção, o maior dele foi o 17 de Julho, que culminou com a derrubada do governo Suruagy. A luta do Sindpol também foi pelo aparelhamento dos policiais civis para que todos tivessem o seu equipamento de proteção individual, ou seja, pistola, colete, algemas, munições e outros de usos diários. Conquistamos o vale alimentação, o direito ao adicional noturno, o pagamento das diárias, o pagamento de diária de nível superior, a escala de serviço de acordo com a legislação. Essas conquistas foram através de muita luta do Sindpol. Uma conquista que eu considero a maior em termo de melhoria salarial foi o nosso Plano de Cargos, Carreiras e Subsídios (PCCS). Precisamos avançar com pagamento de perdas salariais, que o governo nos nega, de moradia digna para o policial, de plano de saúde pago pelo Estado, de piso salarial de nível superior, de unidades policiais modernas exclusivas para o trabalho da polícia judiciária. Completamos 25 anos de Polícia Civil, isso não é fácil. O trabalho é árduo e muita das vezes pouco reconhecido pela sociedade. Hoje, enfrentamos uma criminalidade que não respeita o aparelho de segurança pública, e o governo faz de conta que os problemas não estão acontecendo, mas sobra para quem está na ponta, justamente, o policial civil ou militar, no nosso caso, o policial civil. Agrademos a Deus e aos colegas, que dividiram esses momentos, com a gente nesses anos de luta”.

Compartilhe essa notícia

WhatsApp

Comentários

Faça agora seu Recadastramento
e fique informado

© Copyright 2001 - 2018 | SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DE ALAGOAS